Consulte aqui seu Processo:

Insira seu usuário e senha para ter acesso ao software jurídico

Notícias

Cotação Monetária

Moeda Compra Venda
DOLAR 3,94 3,94
EURO 4,42 4,42
PESO (ARG) 0,09 0,09

Webmail

Clique no botão abaixo para ser direcionado para nosso ambiente de webmail.

Carne com novo ICMS em Pernambuco

Por: Rochelli Dantas Pernambuco tem uma nova tributação incidente sobre as operações com carnes. Desde o último dia 1º de abril entrou em vigor o decreto nº 46.953 que altera a cobrança do ICMS sobre cortes relacionados à carne bovina, que passou de 2,5% para 6%, e para carne suína, que passou de 2% para 6%. As novas taxações causaram polêmica no setor. De um lado, a cadeia produtiva, que se diz prejudicada e que o consumidor sentirá o reajuste dos produtos nos supermercados. De outro, o governo do estado, que ressalta que os novos índices não afetam produtos da cesta básica. Em nota pulgada recentemente, a Associação Brasileira de Bares e Restaurantes (Abrasel) diz que com os custos mais altos desses insumos, primordiais na confecção de pratos de bares e restaurantes do estado, gerando aumento nos cardápios, clientes deverão evitar o consumo desses cortes e esse comportamento afetará todo o setor de alimentação fora do lar, em um momento em que as empresas ainda se recuperam da crise. "Como os estabelecimentos ainda têm estoque não dá para dizer quando que o aumento será sentido, mas sabemos que será em breve. Estamos em uma fase de adaptação. Mas é certo que haverá um reajuste. Muito provavelmente daqui para o fim do mês deve haver uma mudança nos valores. E o mais preocupante para o setor é que com a crise econômica as margens de lucro já estão pequenas e agora serão ainda menores", conclui o presidente da Abrasel em Pernambuco, André Araújo. A Associação Pernambucana de Atacadistas e Distribuidores (Aspa) também se diz preocupada com a nova tributação. De acordo com o presidente da entidade, José Luis Torres, pelo menos três reuniões já foram realizadas com empresários do setor para entender as mudanças, as queixas e tentar propor ao governo do estado uma melhor alternativa. Em defesa, o secretário da Fazenda do estado, Décio Padilha, explica que o gado adquirido em outros estados ou em Pernambuco com destino ao abatedor não paga ICMS. "A alteração ocorreu apenas para os cortes desossados e embalados, a vácuo ou não, oriundos de outros estados ou importados. Isso porque nós desenquadramos esses produtos da cesta básica, cujos produtos têm tributação de 2,5%. Mas, por exemplo, uma picanha, um salmão, não faz parte da cesta básica", ressalta. Segundo Padilha, mesmo com o reajuste, o tributo ainda é inferior ao praticado em outros estados. "No Ceará, todos os cortes de carnes são tributados em 7%. Na Bahia e em Alagoas a alíquota é de 18% e abate o crédito. Continuamos com uma tributação reduzida aqui no estado", diz.
© 2019 Todos os direitos reservados - Certificado e desenvolvido pelo PROMAD - Programa Nacional de Modernização da Advocacia
Pressione as teclas CTRL + D para adicionar aos favoritos.