Consulte aqui seu Processo:

Insira seu usuário e senha para ter acesso ao software jurídico

Notícias

Cotação Monetária

Moeda Compra Venda
DOLAR 5,22 5,22
EURO 6,35 6,35
PESO (ARG) 0,06 0,06

Webmail

Clique no botão abaixo para ser direcionado para nosso ambiente de webmail.

Evento on-line marca lançamento do Anuário da Justiça de São Paulo 2020-2021

Atuação do Judiciário na pandemia foi tema de debate. O presidente do Tribunal de Justiça de São Paulo, desembargador Geraldo Francisco Pinheiro Franco, e o corregedor-geral da Justiça, desembargador Ricardo Mair Anafe, participaram hoje (9) de debate promovido pela revista eletrônica Consultor Jurídico, com o tema “As responsabilidades do Judiciário na aplicação das políticas públicas de enfrentamento à crise da Covid-19”. O evento on-line marcou o lançamento da Anuário da Justiça de São Paulo, produzido pela Conjur Editoral. Três ministros do Supremo Tribunal Federal oriundos do Estado também participaram do debate e prestigiaram o lançamento da publicação: Ricardo Lewandowski, Dias Toffoli e Alexandre de Moraes. A abertura do evento ficou a cargo do juiz paulista Rodrigo Capez, que atualmente auxilia a Presidência do Conselho Nacional de Justiça (CNJ). Ele falou em nome da Uninove, patrocinadora da publicação, instituição onde é diretor acadêmico dos cursos de Direito. “O Tribunal de Justiça de São Paulo é responsável por 25% do movimento do Judiciário do país. É referência nacional e internacional em produtividade e qualidade da prestação jurisdicional.” A organização do evento exibiu vídeo para apresentar a publicação. São 362 páginas sobre a Corte paulista, seus desembargadores, a produtividade e a jurisprudência, destacando as inovações, demandas e soluções dadas pelos magistrados do TJSP e pela direção aos muitos desafios impostos pela pandemia da Covid-19. A editora da publicação, Lilian Matsuura, ressaltou que todo o esforço da Administração se concentrou em manter o Tribunal em funcionamento, com o uso da tecnologia. “Os trabalhos chegaram a perder o ritmo inicialmente, mas depois, com a prática, recuperaram a intensidade. Ao final de 2020, notou-se até um ganho na produtividade de cada julgador. Em vez do anunciado desastre, os mais de 900 mil casos julgados durante o ano podem ser considerados uma grande vitória do Tribunal”, afirmou. O presidente Pinheiro Franco disse que, desde que a Conjur começou a coletânea de dados sobre o TJSP, por meio da edição do Anuário da Justiça, os títulos e os subtítulos de suas capas registram a radiografia do momento experimentado pelo Judiciário paulista. “Nada mais adequado do que o título e o subtítulo da 11ª edição hoje lançada: ‘Anticorpos judiciais – Judiciário paulista resolve, ao mesmo tempo, velhos e novos problemas’. O mais importante que as páginas do Anuário nos mostra é que o objetivo, diuturnamente por nós todos buscado, é motivo de orgulho para os magistrados e servidores paulistas. O Judiciário não parou. A distribuição célere e eficaz da Justiça foi, é e será sempre a nossa meta maior.” Os ministros aproveitaram o lançamento para elogiar o trabalho, a produção e a qualidade técnica do Tribunal de Justiça de São Paulo, bem como a atuação da Administração frente à pandemia. “Os senhores estão fazendo um trabalho brilhante no maior Tribunal da América Latina, um tribunal extremamente complexo por seu tamanho e que não parou nenhum segundo de prestar a jurisdição. É, disparada, a Corte com maior volume de processos do país. Faço questão de parabenizá-los pela administração séria, sóbria e competente”, disse o ministro Alexandre de Moraes. Os participantes do debate também cumprimentaram a equipe da Conjur pelo trabalho na produção do Anuário, na pessoa do diretor Márcio Chaer.   Debates Conduzido pelo jornalista Rodrigo Haidar, o debate sobre o papel do Judiciário na aplicação de políticas públicas de enfrentamento à Covid-19 foi transmito pela TV Conjur. Para o presidente Pinheiro Franco, a crise sanitária trouxe inúmeras dúvidas, inclusive a necessidade de ações muito rápidas, seja para preservar vidas, seja para preservar a jurisdição. "Tivemos que agir muito rápido, e esse agir vem com dificuldades, acertos e erros. Mas desde o momento inicial foi nos dado um norte muito preciso sobre o que a Justiça deveria ter em mente nesse momento de crise sanitária." Ele comentou que, quando o STF estabeleceu competência concorrente entre os entes da Federação, houve um balizamento muito claro. "A partir disso, em São Paulo, tivemos a preocupação de estabelecer um norte no sentido de preservar a ação dos chefes do Poder Executivo, porque são eles que têm bagagem técnica e material para estabelecer os destinos do combate a essa crise", disse. Para o ministro Ricardo Lewandowski, o Supremo Tribunal Federal não foi o gestor da crise sanitária, mas definiu três grandes linhas de atuação e diretrizes sólidas e concretas: permitiu que estados e municípios, ao lado da União, pudessem atuar no combate ao vírus; definiu que a vacina é obrigatória; e exigiu da União um plano nacional de vacinação, que até então não existia. “Essas três decisões, entre outras, permitiram que a máquina estatal conseguisse se movimentar”, comentou. "Não há que se falar em ativismo judiciário. O Judiciário não acorda e resolve tomar uma decisão. Ele é provocado", afirmou o ministro Dias Toffoli. Para ele, o Poder Judiciário é acionado porque as outras esferas de governo não conseguem garantir os direitos previstos na Constituição Federal. “No caso da pandemia não é diferente. Mostra a dificuldade de coordenação entre os entes da Federação”, disse. E avaliou: "A ação no Judiciário deveria ser em caso de necessidade. Excepcional". O ministro Alexandre de Moraes considerou que a pandemia do novo coronavírus trouxe ao Brasil, além dos problemas sanitários, um vácuo de liderança, que foi preenchido pelo trabalho do Poder Judiciário.  Na avaliação do ministro, o ponto positivo gerado pela crise foi que a Justiça soube se modernizar e responder às demandas da sociedade. "Houve uma verdadeira revolução no sistema virtual do Judiciário que acabou gerando uma produtividade muito maior do que tínhamos antes. O Judiciário soube se adaptar", afirmou. O corregedor Ricardo Anafe também destacou que acrise sanitária apresentou a oportunidade de modernização e implementação de persos projetos que estavam ainda na fase de planejamento no TJSP, mas que o isolamento viabilizou ou exigiu. Intimações, citações, notificações e comunicações passaram a ser feitas por meio virtual. O desembargador avaliou positivamente o novo formato, especialmente das audiências na área criminal. “Era necessário, por exemplo, o transporte de um preso de Presidente Prudente para São Paulo. Então a modernidade facilitou muito para os presos, para o fórum, para a segurança. Além de resultar em uma economia e a transferência das equipes de segurança que faziam esse transporte para o policiamento ostensivo”.   * Com informações do Consultor Jurídico.   imprensatj@tjsp.jus.br   Siga o TJSP nas redes sociais:  www.facebook.com/tjspoficial www.twitter.com/tjspoficial www.youtube.com/tjspoficial www.flickr.com/tjsp_oficial www.instagram.com/tjspoficial   
09/04/2021 (00:00)
© 2021 Todos os direitos reservados - Certificado e desenvolvido pelo PROMAD - Programa Nacional de Modernização da Advocacia
Pressione as teclas CTRL + D para adicionar aos favoritos.