Consulte aqui seu Processo:

Insira seu usuário e senha para ter acesso ao software jurídico

Notícias

Cotação Monetária

Moeda Compra Venda
DOLAR 5,26 5,26
EURO 6,22 6,22
PESO (ARG) 0,07 0,07

Webmail

Clique no botão abaixo para ser direcionado para nosso ambiente de webmail.

Judiciário entrega peça orçamentária ao Executivo e destaca a importância dos serviços forenses

Reunião aconteceu no Palácio da Justiça.   Ao entregar, na tarde de ontem (30), ao vice-governador do Estado, Rodrigo Garcia, a peça orçamentária do Poder Judiciário de 2021 o presidente do Tribunal de Justiça de São Paulo, desembargador Geraldo Francisco Pinheiro Franco, destacou que o Tribunal de Justiça, que representa um dos Poderes do Estado, quer que o orçamento seja analisado com os olhos de quem almeja uma justiça cada dia mais atuante e mais moderna e de quem tem uma clara noção da importância e do relevo da atuação do Judiciário paulista. “Queremos um exame competente das reais necessidades do Judiciário. Não um mero exame de números. Não a aplicação fria de percentuais. Mas um exame que também reflita o respeito pela Corte, lembrando, sempre que ela faz sua parte frente às dificuldades do País e de nosso Estado.” Destacou, ainda, as particularidades específicas do Tribunal, que tem poucas vias de receita e gastos potenciais e grandes com pessoal.   Da reunião, que aconteceu no Palácio da Justiça, participaram também o vice-presidente do TJSP, desembargador Luis Soares de Mello; os desembargadores que integram a Comissão de Orçamento, Planejamento e Finanças Luís Francisco Aguilar Cortez, Marcelo Fortes Barbosa Filho e José Maria Câmara Júnior; e os juízes assessores da Presidência Rodrigo Nogueira e João Baptista Galhardo Júnior. Pelo Governo do Estado, estavam presentes a procuradora-geral do Estado, Lia Porto Corona, e o secretário de Projetos, Orçamento e Gestão, Mauro Ricardo Costa.   Ao mesmo tempo em que deu as boas-vindas aos integrantes do Governo, o presidente Pinheiro Franco apresentou a real situação do Tribunal, enfatizando as dificuldades enfrentadas, fruto de um orçamento inadequado para o exercício de 2020. Falou sobre os três planos de contingência implementados desde janeiro e lembrou que o aumento do percentual que esbarra nos limites da Lei de Responsabilidade Fiscal não decorreu de ação do Judiciário, ou de seus gastos, e sim de mudança política de cálculo. Defendeu a preservação do Fundo Especial de Despesas tal como hoje está previsto em lei, exclusivo para a finalidade de assegurar recursos para expansão e aperfeiçoamento da atividade jurisdicional, visando ampliar o acesso à Justiça, sem alterações, em razão das ponderações feitas pelo secretário do Orçamento. Lembrou, ainda, que o orçamento do Poder Judiciário contempla verba de restritíssimo valor para investimento e custeio, tendo sido reduzido a esse título, no curso dos anos, em mais de 80%.   As reuniões para tratar de questões orçamentárias com Governo do Estado têm acontecido desde o início da gestão, tratando dos déficits apresentados e buscando soluções. Desta vez, o vice-governador revelou que estava ali para três finalidades: 1) cumprimentar o Judiciário pelo esforço que tem feito durante a pandemia com a produtividade e a preservação da saúde pública; 2) cumprimentar pelo esforço orçamentário que o TJSP tem feito para suportar as despesas; e 3) apresentar as dificuldades que se apresentam para o ano de 2021 frente a queda da arrecadação e do Produto Interno Bruto (PIB). “Estamos vivendo o que nunca vivemos e tratando de assuntos que nunca tratamos.”   O desembargador Luis Soares de Mello, ao fazer uso da palavra, fez coro à fala do presidente, ressaltando aos representantes do Executivo que, “como Poder de Estado e com importância igual ao dos outros Poderes, precisaríamos ser ouvidos com muita atenção quanto à nossa proposta orçamentária, já que toda ela envolvia  destinação certa e objetiva, sem qualquer exagero e tudo imprescindível ao nosso funcionamento básico, e que o resultado numérico obtido havia sido objeto de estudo altamente minucioso de cada elemento financeiro envolvido”. O vice-presidente realçou que não pode aceitar um orçamento previamente delimitado pelo Executivo, em valores muito inferiores e que não cobririam sequer as necessidades básicas. “Quanto a nosso Fundo, como o presidente já adiantara, qualquer alteração de sua destinação praticamente inviabilizaria o funcionamento de um dos Poderes de Estado, a ponto de comprometer sua própria existência.”   Manifestaram-se, também, os desembargadores Aguilar Cortez e José Maria Câmara, integrantes da Comissão de Orçamento e Finanças.   A reunião – e outras virão – tratou de forma amistosa e séria a questão orçamentária e o presidente Pinheiro Franco, ao agradecer a presença dos integrantes do Executivo – que farão a análise técnica do conteúdo da peça orçamentária do Judiciário e a encaminharão à Assembleia Legislativa até 30 de setembro – disse que essa forma transparente de conversa faz com que o Judiciário, Executivo e Legislativo possam chegar a um denominador que viabilize a prestação de um serviço essencial, sem percalços e sem perplexidades. “Pretendemos um orçamento adequado para manter a máquina judiciária funcionando bem, porque o Tribunal tem a responsabilidade de prestar um trabalho relevante. Investimos muito em tecnologia e isso fez com que pudéssemos trabalhar, nos últimos quatro meses, em 100% remoto, sem deixar a população paulista desassistida.”     imprensatj@tjsp.jus.br   Siga o TJSP nas redes sociais:  www.facebook.com/tjspoficial www.twitter.com/tjspoficial www.youtube.com/tjspoficial www.flickr.com/tjsp_oficial www.instagram.com/tjspoficial
31/07/2020 (00:00)
© 2020 Todos os direitos reservados - Certificado e desenvolvido pelo PROMAD - Programa Nacional de Modernização da Advocacia
Pressione as teclas CTRL + D para adicionar aos favoritos.