Consulte aqui seu Processo:

Insira seu usuário e senha para ter acesso ao software jurídico

Notícias

Cotação Monetária

Moeda Compra Venda
DOLAR 5,26 5,26
EURO 6,22 6,22
PESO (ARG) 0,07 0,07

Webmail

Clique no botão abaixo para ser direcionado para nosso ambiente de webmail.

Justiça de Guarulhos determina que Município e CDHU desativem canil clandestino

Animais devem ser transferidos para local apropriado.   A 1ª Vara da Fazenda Pública de Guarulhos atendeu pedido do Ministério Público estadual em ação civil pública contra o Município de Guarulhos, a Companhia de Desenvolvimento Habitacional e Urbano do Estado de São Paulo (CDHU) e uma mulher que mantinha um abrigo clandestino para cães abandonados, e determinou sua desativação. O Judiciário local determinou que a Municipalidade recolha os animais do local, acolhendo-os em local adequado, com atendimento veterinário e posterior disponibilização para adoção; que a CDHU faça a recuperação ambiental da área em que funcionava o canil; que a ré permita a transferência dos cães e não abrigue mais nenhum animal. Consta dos autos que o canil, instalado em terreno pertencente à CDHU, abrigava mais de 100 cães de forma ilegal e sem quaisquer condições sanitárias, colocando em risco a população local e os próprios animais. Mesmo após as partes terem firmado acordo com o Ministério Público para solucionar o problema, não houve desocupação da área pública, nem transferência dos animais para local apropriado. O juiz Rodrigo Tellini de Aguirre Camargo ressaltou que é dever legal do Município resguardar a saúde, a segurança e outros interesses públicos que prevaleçam sobre o particular, além de notificar e impor penalidades visando a prevenção e o controle do que possa colocar em risco a saúde humana, o bem-estar animal e o saneamento ambiental decorrente. “A omissão do Poder Público local é, pois, patente e indesculpável, na medida em que a irregularidade da situação é conhecida há pelo menos 13 anos, sendo inócua sua atuação no sentido de fazer valer sua própria legislação, interrompendo o funcionamento do local e recolhendo os animais até hoje lá depositados”. Rodrigo Tellini pontuou, também, que não procede a alegação de inexistência de dotação orçamentária por parte do Município para agir em cumprimento à lei e cessar as atividades do canil. “Não há demonstração da incapacidade econômico-financeira do ente ou mesmo a comprovação de que todas as demais políticas públicas para as quais foram revertidos os recursos municipais sejam realmente prevalentes em relação à providência objeto desta ação civil pública, razão por que não tem aptidão para afastar a obrigatoriedade imposta por expediente fruto do devido processo legislativo”, afirmou o magistrado. O juiz apontou, por fim, que cabe à CDHU a recuperação ambiental da área de sua propriedade, ocupada de forma irregular pela ré e onde funcionava o abrigo. “Assim, uma vez constatada a presença de irregularidades ambientais no local, mister se faz a condenação da CDHU na recuperação da área degradada, sanando as irregularidades encontradas, bem como tomando as devidas providências para impedir novas ocupações e agravamento da degradação ambiental.” Cabe recurso da sentença.   Ação Civil Pública nº 1022048-16.2018.8.26.0224   imprensatj@tjsp.jus.br            Siga o TJSP nas redes sociais:          www.facebook.com/tjspoficial          www.twitter.com/tjspoficial          www.youtube.com/tjspoficial          www.flickr.com/tjsp_oficial          www.instagram.com/tjspoficial  
30/07/2020 (00:00)
© 2020 Todos os direitos reservados - Certificado e desenvolvido pelo PROMAD - Programa Nacional de Modernização da Advocacia
Pressione as teclas CTRL + D para adicionar aos favoritos.