Consulte aqui seu Processo:

Insira seu usuário e senha para ter acesso ao software jurídico

Notícias

Cotação Monetária

Moeda Compra Venda
DOLAR 5,29 5,29
EURO 6,27 6,27
PESO (ARG) 0,07 0,07

Webmail

Clique no botão abaixo para ser direcionado para nosso ambiente de webmail.

Mogi das Cruzes não poderá transferir recursos do Fundo de Direitos da Criança para conta do Tesouro Municipal

Medida contraria dispositivo do ECA.   A Vara da Infância e Juventude da Comarca de Mogi das Cruzes julgou procedente ação civil pública e condenou a Prefeitura Municipal de Mogi das Cruzes a se abster de utilizar o Fundo Municipal de Direitos da Criança e do Adolescente, salvo em caso de expressa deliberação e autorização do Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente, com base em seu Plano de Ação para o ano de 2020. Consta nos autos que a Municipalidade, diante da pandemia de Covid-19, editou a Lei Municipal nº 7.568/2020 que, em seu artigo 2º, autoriza o Chefe do Poder Executivo a transferir recursos do Fundo Municipal de Direitos da Criança e do Adolescente para Conta do Tesouro Municipal, priorizando seu uso em prol de crianças e adolescentes nas ações de combate à pandemia. Segundo o juiz Eduardo Calvert, porém, a norma contraria o Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA) e a própria legislação municipal, segundo as quais cabe ao Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente gerir o Fundo.  O magistrado escreveu na sentença que o Município “usurpou a competência legislativa da União para estabelecimento sobre normas gerais de proteção à infância e juventude”. Para ele, a norma municipal recém-editada “padece de inconstitucionalidade formal”, por ser incompatível com o ECA. “Tendo em vista que o artigo 2º da Lei Municipal nº 7.568/2020 constitui o fundamento legal para que o Chefe do Poder Executivo Municipal transfira recursos do Fundo Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente para Conta do Tesouro Municipal e, uma vez reconhecida a inconstitucionalidade formal do dispositivo legal, impõe-se a procedência dos pedidos do autor”, concluiu. Cabe recurso da sentença.   imprensatj@tjsp.jus.br   Siga o TJSP nas redes sociais: www.facebook.com/tjspoficial www.twitter.com/tjspoficial www.youtube.com/tjspoficial www.flickr.com/tjsp_oficial www.instagram.com/tjspoficial    
31/07/2020 (00:00)
© 2020 Todos os direitos reservados - Certificado e desenvolvido pelo PROMAD - Programa Nacional de Modernização da Advocacia
Pressione as teclas CTRL + D para adicionar aos favoritos.