Consulte aqui seu Processo:

Insira seu usuário e senha para ter acesso ao software jurídico

Notícias

Cotação Monetária

Moeda Compra Venda
DOLAR 5,20 5,20
EURO 6,15 6,15
PESO (ARG) 0,07 0,07

Webmail

Clique no botão abaixo para ser direcionado para nosso ambiente de webmail.

Retomada dos trabalhos presenciais é tema de live na TV Conjur

Cerca de 5,5 mil pessoas acompanharam as exposições.   Os tribunais devem retomar os trabalhos presenciais ou permanecer 100% em trabalho remoto? A pergunta tem respostas diferentes nos persos tribunais do país e deve levar em conta as peculiaridades de cada órgão e/ou região territorial à qual pertence. Para falar sobre a retomada dos trabalhos presenciais no Poder Judiciário, a TV Conjur promoveu, nesta segunda-feira (6), também com transmissão pelo YouTube, o webinar “Segurança na Crise: A Retomada dos Trabalhos Judiciários”, com a participação do presidente do Superior Tribunal de Justiça (STJ), ministro João Otávio Noronha, do presidente do Tribunal de Justiça de São Paulo, desembargador Geraldo Francisco Pinheiro Franco, do corregedor-geral da Justiça, desembargador Ricardo Mair Anafe, e do advogado Ricardo Tosto. Tanto o STJ como o TJSP se destacaram nesse período de pandemia, oferecendo à população uma prestação jurisdicional adequada e eficiente. Em relação ao retorno ao trabalho presencial, o STJ tem a vantagem de ter menos componentes, menos servidores e ser totalmente digitalizado. Tem a desvantagem de se localizar no Distrito Federal que, nesse momento, passa por situação delicada no controle à propagação do coronavírus. Por essas e outras razões apresentadas, o ministro Noronha disse que, embora a previsão de retomada presencial fosse para o começo de agosto, “diante da crise pandêmica crescente em Brasília”, a data deve ser adiada. “Devemos ter muito cuidado para a volta, porque o STJ é nacional. Teremos advogados se deslocando do Brasil inteiro para fazer sustentação oral”, afirmou. Ele também analisou possíveis mudanças na rotina do Judiciário após a crise sanitária, elogiando a iniciativa da Corte paulista, que passou a realizar videoconferências para ouvir réus, evitando deslocamentos. “Precisamos avançar para além da pandemia, não se justifica mais o deslocamento de réus Brasil afora”, ressaltou. Diferente é a situação do Tribunal de Justiça de São Paulo, que tem se preparado para o retorno gradual, já que, apesar do grande número de acórdãos, sentenças e atos nesse período de quarentena, tem mais de 20% de seu acervo em papel e, nesses casos, os prazos processuais estão suspensos. Ao iniciar sua fala, o presidente Pinheiro Franco enfatizou “o trabalho impecável de magistrados e servidores de São Paulo, que têm dado conta do trabalho incessante da Justiça paulista”. O presidente explicou algumas regras contidas no Provimento CSM nº 2.564/20 e enfatizou que a retomada, prevista para o dia 27, será gradual e cercada de todos os cuidados e precauções necessários para a segurança das pessoas. “Na primeira semana faremos trabalho interno para que possamos nos organizar depois de 120 dias de afastamento. A partir de 3 de agosto, haverá retomada gradual, com restrição de acesso aos prédios”, falou. “Se chegarmos à conclusão de que há um mínimo de risco, voltaremos atrás. O provimento é editado por 35 dias. Vamos avaliando dia a dia, inclusive em conformidade com o Plano São Paulo, que é um indicativo muito importante para nós”, assinalou. Segundo o corregedor-geral da Justiça, desembargador Ricardo Anafe, “o retorno se baseia, em especial, nos 9 milhões de processos físicos, alguns urgentes, que abrangem desde réus presos a causas de família, violência doméstica e infância e juventude. Há uma gama muito grande de interesses sociais em relação a esses processos. Será uma volta gradativa, com menos servidores e juízes, com cautelas de isolamento social, como distanciamento, uso de máscaras e álcool gel”. Ele também enfatizou o aumento da produção e destacou que, agora, no Estado de São Paulo, todas as citações e intimações de réus presos são feitas de forma remota. “Hoje temos em torno de 5 mil audiências realizadas pelo sistema Teams e quase 7 mil audiências já designadas, ou seja, está funcionando muitíssimo bem”, contou. O advogado Ricardo Tosto falou das dificuldades enfrentadas pela Advocacia nesse momento de pandemia e da importância da digitalização processual. “Sem isso, nenhum de nós estaríamos trabalhando hoje. Estou animado com a retomada dos trabalhos por regiões, como o TJSP está propondo. Será um processo em que aprenderemos juntos como funciona e iremos corrigindo as rotas”, disse. Entre os aprendizados que a quarentena trouxe aos integrantes do sistema de Justiça, o mais sedimentado é o de que o trabalho remoto veio para ficar. Por ora, não se sabe a proporção ideal de combinação presença física e home office. O que todos acenam e concordam é que as mudanças estão ocorrendo de forma muito rápida e que a população não pode prescindir de uma decisão justa para as causas que afligem seus cidadãos. Alguns desses aprendizados foram ressaltados pelo presidente Pinheiro Franco. “Aprendemos a nos relacionar melhor e a respeitar mais o próximo. Não tenho dúvidas de que seremos pessoas diferentes daqui para frente. É isso que queremos.” Para os que têm receio dos efeitos da retomada gradual da presença física nos fóruns do Estado, o presidente explicita: “existe a preocupação do Tribunal de Justiça de São Paulo com cada magistrado, servidor, advogado, promotor de Justiça, defensor público e jurisdicionado, para que possamos retomar nossas atividades de forma muito gradual e tranquila. Sempre pensando no bem-estar de todos”.      Veja a integra do seminário.    imprensatj@tjsp.jus.br   Siga o TJSP nas redes sociais:    www.facebook.com/tjspoficial   www.twitter.com/tjspoficial   www.youtube.com/tjspoficial   www.flickr.com/tjsp_oficial   www.instagram.com/tjspoficial
06/07/2020 (00:00)
© 2020 Todos os direitos reservados - Certificado e desenvolvido pelo PROMAD - Programa Nacional de Modernização da Advocacia
Pressione as teclas CTRL + D para adicionar aos favoritos.