Consulte aqui seu Processo:

Insira seu usuário e senha para ter acesso ao software jurídico

Notícias

Cotação Monetária

Moeda Compra Venda
DOLAR 5,31 5,31
EURO 6,00 6,00
PESO (ARG) 0,08 0,08

Webmail

Clique no botão abaixo para ser direcionado para nosso ambiente de webmail.

Secretaria Estadual da Educação adere à campanha “Não se Cale”

Órgão pulga informações em seus canais digitais.   A campanha “Não se Cale”, do Tribunal de Justiça de São Paulo, conquistou mais uma parceria importante: a Secretaria Estadual da Educação (Seduc). O objetivo da campanha é alertar a população sobre violência e abuso sexual contra crianças e adolescentes, fornecendo orientações sobre como agir diante de uma suspeita e como fazer a denúncia. A Seduc se tornou mais um aliado na pulgação das informações, veiculando matérias, postagens e vídeos em seu site e redes sociais.  “A Secretaria abraçou nossa campanha e tenho certeza que vamos atingir pais, professores e os próprios alunos que acessam esses portais”, afirma a juíza Ana Carolina Della Latta Camargo Belmudes, idealizadora da campanha e responsável pelo Sanctvs (Setor de Atendimento de Crimes da Violência contra Infante, Idoso, Pessoa com Deficiência e Vítima de Tráfico Interno de Pessoas). O número de processos sobre estupro contra menores no Estado de São Paulo caiu 40% no mês de abril em comparação com o ano anterior. Esse dado pode mascarar o real quadro de agressões e abusos contra esse segmento da população durante o período do isolamento social, uma vez que cerca de 75% dos casos registrados são cometidos por familiares e pessoas próximas, como pais, padrastos, avós, tios e vizinhos. Um ponto que pode ter impactado no número de denúncias é justamente o fechamento das escolas, porque muitos casos chegam ao conhecimento das autoridades pela percepção de professores e diretores. Por isso o apoio da Seduc é tão relevante. A juíza Ana Carolina Camargo conta que, além da pulgação dos materiais da campanha, a parceria prevê a atualização de uma cartilha voltada para profissionais da Educação. A primeira versão do material foi escrita em 2008. Outra proposta é a capacitação das equipes das escolas, para que saibam como receber e lidar com uma notícia de violência contra crianças e adolescentes e, também, para que possam abordar a prevenção desses crimes com os alunos.   Parcerias Essa é a segunda parceria com uma secretaria de Estado. No início deste mês, a Secretaria dos Transportes Metropolitanos (STM) também aderiu à campanha e usa o potencial de estações, terminais, trens e ônibus – por onde circulam milhões de pessoas diariamente – para dar visibilidade ao tema. As empresas e a STM também estão pulgando a campanha em suas redes sociais.  Outro apoio fundamental para o sucesso da campanha é do grupo de atores “Palhaços Sem Juízo”, que atua nas salas de depoimento especial em fóruns de São Paulo, junto a crianças e adolescentes que sofrem abusos. Eles integram a campanha produzindo vídeos para conscientização e reflexão em uma linguagem lúdica.   Orientações Confira como identificar os sinais de violência, como lidar com a criança ou o adolescente e como fazer a denúncia: Para quais sinais as pessoas devem estar atentas?  Há situações em que as violências não deixam sinais identificáveis, mas que devem ser monitoradas. Precisamos estar atentos a mudanças repentinas de comportamento e de humor. Alterações no sono e na alimentação também merecem atenção. Além disso, devemos observar a resistência da criança ou adolescente em ficar sozinho(a) ou em permanecer na companhia de determinada pessoa. Outras vezes, os sinais de alerta são mais explícitos, como gritos, choros constantes e marcas no corpo. Todas as situações devem ser vistas em sua complexidade e nunca isoladamente.   Se estou desconfiada(o), como devo abordar a criança/adolescente para tentar descobrir se aconteceu alguma coisa? É fundamental estar calmo para conversar. A revelação da violência sofrida é um processo e, muitas vezes, não ocorre imediatamente ou é relatada de uma só vez. Seja, sobretudo, acolhedor, dizendo que não deixará de amá-la por qualquer situação que tenha acontecido. Faça perguntas abertas, jamais sugestivas. Por exemplo, ao invés de perguntar "Alguém mexeu com você na escola?", "Fulano tocou no seu corpo?", pergunte: "Aconteceu alguma coisa com você?", "Como está se sentindo?", "Há algo que você ache importante me contar?"  Caso a criança demonstre resistência em falar, não insista! Se há suspeita de violência, comunique às autoridades competentes e deixe que profissionais especializados abordem o assunto. Lembrando que a criança/adolescente não deve depor contra sua vontade na delegacia ou em qualquer outro lugar.   Onde denunciar Disque 100: mantido pelo Governo Federal, recebe, encaminha e monitora denúncias de violação de direitos humanos. A ligação pode ser feita de telefone fixo ou celular e é gratuita. Funciona 24 horas, mesmos aos finais de semana e feriados. A denúncia pode ser anônima.  Conselho Tutelar: é o principal órgão de proteção a crianças e adolescentes. Há conselhos tutelares em todas as regiões. A denúncia pode ser feita por telefone ou pessoalmente, e as unidades estão funcionando em horários diferenciados. É possível encontrar os contatos pela internet. Na cidade de São Paulo, a Prefeitura disponibiliza telefones e endereços na página oficial. Delegacias de Polícia: seguem abertas 24 horas. Tanto as delegacias comuns quanto as especializadas recebem denúncias de violência contra crianças e adolescentes. Polícia Militar: em caso de emergência, disque 190. A ligação é gratuita e o atendimento funciona 24 horas.   imprensatj@tjsp.jus.br   Siga o TJSP nas redes sociais: www.facebook.com/tjspoficial www.twitter.com/tjspoficial www.youtube.com/tjspoficial www.flickr.com/tjsp_oficial www.instagram.com/tjspoficial
29/06/2020 (00:00)
© 2020 Todos os direitos reservados - Certificado e desenvolvido pelo PROMAD - Programa Nacional de Modernização da Advocacia
Pressione as teclas CTRL + D para adicionar aos favoritos.