Consulte aqui seu Processo:

Insira seu usuário e senha para ter acesso ao software jurídico

Notícias

Cotação Monetária

Moeda Compra Venda
DOLAR 5,65 5,65
EURO 6,68 6,69
PESO (ARG) 0,07 0,07

Webmail

Clique no botão abaixo para ser direcionado para nosso ambiente de webmail.

Tecnologia e gamificação no combate à violência de gênero

Jogo aborda violência, como ouvir e amparar a vítima.   Em média, o brasileiro passa nove horas por mês em jogos online. O país está entre os cinco primeiros no ranking global de gamers, de acordo com pesquisa pulgada neste ano*. Esse comportamento foi intensificado com o isolamento social imposto pela pandemia da Covid-19. Então, por que não usar esse potencial para conscientizar as pessoas sobre violência doméstica e relacionamentos abusivos? Foi o que fez a startup Arbache Innovations, signatária do Programa Ganha-Ganha da ONU Mulheres, e o Coletivo HubMulher. O projeto contou com o apoio da Associação dos Magistrados Brasileiros (AMB) e de outras instituições. Com a colaboração da juíza paulista Ruth Duarte Menegatti (3ª Vara de Adamantina) foi desenvolvido o Mobi Game, que aborda cinco tipos de violência: física, sexual, psicológica, moral e patrimonial. O jogo narra a história de duas personagens: Penha está em uma relação violenta com o namorado, Zé, e a amiga, Luana, quer ajudá-la. Então, o jogador decide o que Luana vai fazer. O game ensina as pessoas, de uma forma didática, a ouvir e amparar as vítimas. Lança desafios com perguntas diretas para o jogador, que escolhe como cada uma deve agir diante das situações apresentadas. “A violência doméstica é uma realidade dura para nosso país, que está entre os cinco mais violentos e com maior número de feminicídios no mundo. O jogo foi lançado pensando em prevenção das formas de violência e em uma abordagem adequada. É uma ferramenta pertida e educativa e que pode ser utilizada pelas organizações e universidades. Fazer parte dessa equipe foi uma honra!”, afirma Ruth Menegatti. “A ideia foi realmente tratar um tema difícil e triste, por intermédio de um instrumento leve e acessível”, completa a juíza. A juíza Maria Domitila Manssur (16ª Vara Criminal) também colaborou com a iniciativa e conta que muitos magistrados e instituições têm entrado em contato para obter mais informações sobre o projeto. Em sua opinião, o game é útil para todos, pois qualquer pessoa pode se deparar com uma situação de violência de gênero e, talvez, não saber como agir. “As mulheres se sentem culpadas e muitas têm vergonha. Temos que mostrar para as vítimas que existem saídas. O jogo procura explicar as abordagens adequadas”, diz a magistrada. Para jogar gratuitamente do celular ou do computador, basta acessar https://arbache.mobi/game/cadastro e preencher um cadastro.   Texto com informações da Associação dos Magistrados Brasileiros * Pesquisa feita pela empresa Comscore     imprensatj@tjsp.jus.br     Siga o TJSP nas redes sociais: www.facebook.com/tjspoficial www.twitter.com/tjspoficial www.youtube.com/tjspoficial www.flickr.com/tjsp_oficial www.instagram.com/tjspoficial     
15/10/2020 (00:00)
© 2020 Todos os direitos reservados - Certificado e desenvolvido pelo PROMAD - Programa Nacional de Modernização da Advocacia
Pressione as teclas CTRL + D para adicionar aos favoritos.